Vencedores Amazônia Doc. 5

Longa Metragens

Juri Oficial: Vencedor

Equador, 70 min

Direção: Jose Espinosa Anguaya

Roteiro: Jose Espinosa Anguaya, Citlalli Andrango

Um jovem casal descobre que espera um bebê. Esta notícia desperta sua preocupação com a identidade com a qual eles educarão e criarão o "huahua" que está chegando. José, o futuro pai, retorna a sua comunidade em busca de respostas sobre suas raízes. Citlalli, futura mãe, reflete sobre sua identidade como filha de pai indígena e mãe mestiça. Os dois enfrentarão as imposições de uma sociedade globalizada e a situação atual de sua cultura, seu povo e sua identidade.

Juri Oficial: Vencedor

Brasil, 90 min

Direção: Silvio Da-Rin

Roteiro: Silvio Das-Rin e Fernando Mozart

"O filme documenta a vida dos ribeirinhos em 14 comunidades em Mamirauá, a maior Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Brasil. Essa região da várzea amazônica, localizada no Médio Solimões, se caracteriza por ciclos anuais de cheia e vazante, obrigando a população a adaptar-se à variação no nível das águas, que pode chegar a quinze metros entre a estação seca e a cheia. O documentário está baseado em encontros de ribeirinhos com a equipe de filmagem e Tito Martins, habitante da região que é convidado a atuar como guia. No final das filmagens da seca, Tito recebe uma câmera digital para fazer registros da transição para a estação chuvosa, tornando-se apto a documentar sua região.

Juri Popular: Vencedor

Brasil, 74 min

Direção: Mykaela Plotkin

Roteiro: Mykaela Plotkin

Sotaque do Olhar é um filme-ensaio; um processo de colagem e de apropriação de materiais de arquivos pessoais de personagens alheios, que funciona como âncora para a construção de uma memória praticamente sem registro - o vínculo da realizadora com sua dupla nacionalidade. A narrativa é, então, norteada por essa busca de identidade, a partir da investigação das próprias origens.

Médias e curtas Metragens

Juri Oficial: Vencedor

Brasil, 23 min

Direção: Mayara Efe

Roteiro: Mayara Efe e Michelle Bianca

Onde estão e quem são as minas que compõem o movimento do funk? O funk sempre foi uma forma de protesto, e ser mulher também é! O Beat é Protesto -  O funk pela ótica feminina é um documentário curta metragem que retrata a cena underground das mulheres no funk de protesto da última década de São Paulo. A fim de investigar e dar voz à essas mulheres que estão fora da mídia atualmente e explorando temas como políticas públicas, mercado e o corpo feminino nesses espaços.

Juri Oficial: Menção Honrosa

Bolívia, 61 min

Direção: Nina Wara Carrasco

Roteiro: Nina Wara Carrasco e Oriana Jiménez

As histórias do pai de Nina, a diretora, sobre a música do ritual Tinku no norte de Potosí, na Bolívia. São a razão pela qual ela retorna 25 anos depois para conhecer o lugar idílico de sua infância no meio das montanhas do Altiplano. Onde ela descobre seu estrangeirismo e uma série de mudanças que a fazem perceber que a música é um bálsamo que permite conectar não só com a natureza, mas com seres do além.

Juri Oficial: Vencedor

Brasil, 24 min

Direção: Vitor Souza Lima

Roteiro: Vitor Souza Lima

Catorze pares de cidades com os mesmos nomes, separadas pelo Atlântico, me inspiraram a falar sobre distância, saudade, lembranças: a memória que fica e a que se esvai.

Juri Oficial: Vencedor

Brasil, 52 min

Direção: Yube Huni Kuin, Siã Huni Kuin e Isaka Huni Kuin

Roteiro: Isaka Huni Kuin, Siã Huni Kuin e Tiago Campos

Bimi tornou-se a primeira mulher indígena Huni Kuin a organizar sua própria aldeia, uma atividade até então exclusiva dos homens. Em sua trajetória de vida, por sua personalidade forte e determinada, enfrentou uma série de dificuldades. Sobretudo devido a questões hierárquicas e tradicionais do povo Huni Kuin, uma sociedade essencialmente patriarcal, resultando na saída de sua terra indígena de origem, culminando na organização de uma nova aldeia, na qual desenvolve vários papéis, dentre eles, pajé de cura, detentora de saberes ancestrais do povo Huni Kuin.

Juri Oficial: Menção Honrosa

Brasil, 20 min

Direção: Rafael Irineu

Roteiro: Rafael Irineu

Conheça Majur. LGBTQ+, indígena e chefe de comunicação em uma aldeia no interior de Mato Grosso.

Juri Oficial: Menção Honrosa Juri Popular: Vencedor

Brasil, 70 min

Direção: Priscilla Brasil

Roteiro: Priscilla Brasil

Um filme que fala sobre a migração para a região amazônica entre as décadas de 60 e 80 do século passado.